Pra ler: Liberdade Crônica!

Poucos cronistas conseguem me arrancar um sorriso ou uma gargalhada ao ler suas crônicas, como a Martha Medeiros! Podem perguntar para quem convive comigo: sempre estou lendo ou mostrando uma crônica da Martha para meus amigos e familiares. Eles, assim como eu, ficam fascinados pelas crônicas da autora.

Estou falando da Martha, pois a resenha de hoje é sobre uma nova coletânea de crônicas da autora lançada pela editora L&PM. A coletânea conta com três livros, intitulados: Felicidade, Liberdade e Paixão. E vim falar para vocês do livro Liberdade.

Os três livros reúnem as melhores crônicas dos 20 anos de carreira da autora, contando com crônicas de vários livros da Martha, como: Feliz por Nada, Montanha Russa, Doidas e Santas, A Graça da Coisa (resenha aqui), Um Lugar na Janela, Coisas da Vida, Trem-Bala, entre outros. 


Com a característica escrita descontraída e inteligente da Martha, o livro apresenta 101 (excelentes) crônicas sobre a mulher contemporânea; livros, filmes, música, etc; fé e equilíbrio; no divã sociedade. As crônicas reunidas nesse livro são incríveis e, como sempre, me fizeram sentir uma empatia enorme pela Martha. Como já disse aqui no blog, o meu pensamento bate demais com o dela. Talvez seja por isso que ela é minha autora predileta.

Abaixo duas das minhas crônicas favoritas do livro:

Janela dos Outros

Gosto dos livros de ficção do psiquiatra Irvin Yalom (Quando Nietzsche Chorou, A Cura de Schopenhauer) e por isso acabei comprando também seu Os Desafios da Terapia, em que ele discute alguns relacionamentos padrões entre terapeuta e paciente, dando exemplos reais. Eu devo ter sido psicanalista em outra encarnação, tanto o assunto me fascina.

Ainda no início do livro, ele conta a história de uma paciente que tinha um relacionamento difícil com o pai. Quase nunca conversavam, mas surgiu a oportunidade de viajarem juntos de carro e ela imaginou que seria um bom momento para se aproximarem. Durante o trajeto, o pai, que estava na direção, comentou sobre a sujeira e degradação de um córrego que acompanhava a estrada. A garota olhou para o córrego a seu lado e viu águas límpidas, um cenário de Walt Disney. E teve a certeza de que ela e o pai realmente não tinham a mesma visão da vida. Seguiram a viagem sem trocar mais palavra.

Muitos anos depois, essa mulher fez a mesma viagem, pela mesma estrada, dessa vez com uma amiga. Estando agora ao volante, ela surpreendeu-se: do lado esquerdo, o córrego era realmente feio e poluído, como seu pai havia descrito, ao contrário do belo córrego que ficava do lado direito da pista. E uma tristeza profunda se abateu sobre ela por não ter levado em consideração o então comentário de seu pai, que a essa altura já havia falecido.

Parece uma parábola, mas acontece todo dia: a gente só tem olhos para o que mostra a nossa janela, nunca a janela do outro. O que a gente vê é o que vale, não importa que alguém bem perto esteja vendo algo diferente.

A mesma estrada, para uns, é infinita, e para outros, curta. Para uns, o pedágio sai caro; para outros, não pesa no bolso. Boa parte dos brasileiros acredita que o país está melhorando, enquanto que a outra perdeu totalmente a esperança. Alguns celebram a tecnologia como um fator evolutivo da sociedade, outros lamentam que as relações humanas estejam tão frias. Uns enxergam nossa cultura estagnada, outros aplaudem a crescente diversidade. Cada um gruda o nariz na sua janela, na sua própria paisagem.

Eu costumo dar uma espiada no ângulo de visão do vizinho. Me deixa menos enclausurada nos meus próprios pontos de vista, mas, em contrapartida, me tira a certeza de tudo. Dependendo de onde se esteja posicionado, a razão pode estar do nosso lado, mas a perderemos assim que trocarmos de lugar. Só possuindo uma visão de 360 graus para nos declararmos sábios. E a sabedoria recomenda que falemos menos, que batamos menos o martelo e que sejamos menos enfáticos, pois todos estão certos e todos estão errados em algum aspecto da análise. É o triunfo da dúvida.


Avec Elegance

Hoje a maioria das pessoas que têm acesso à informação sabe que é peruíce usar uma blusa de paetês às duas da tarde e que é deselegante comparecer a um casamento sem gravata. Costanza Pascolato, Gloria Kalil e Claudia Matarazzo são alguns dos jornalistas especializados em ajudar os outros a não cometerem gafes na hora de se vestir ou de se portar à mesa. Mas existe uma coisa difícil de ser ensinada e que, talvez por isso, esteja cada vez mais rara: a elegância do comportamento.


É um dom que vai muito além do uso correto dos talheres e que abrange bem mais do que dizer um simples obrigado diante de uma gentileza. É a elegância que nos acompanha da primeira hora da manhã até a hora de dormir e que se manifesta nas situações mais prosaicas, quando não há festa alguma nem fotógrafos por perto. É uma elegância desobrigada.
É possível detectá-la nas pessoas que elogiam mais do que criticam. Nas pessoas que escutam mais do que falam. E quando falam, passam longe da fofoca, das pequenas maldades ampliadas no boca a boca.


É possível detectá-la nas pessoas que não usam um tom superior de voz ao se dirigir à empregadas domésticas, garçons ou frentistas. Nas pessoas que evitam assuntos constrangedores porque não sentem prazer em humilhar os outros. É possível detectá-la em pessoas pontuais.
Elegante é quem demonstra interesse por assuntos que desconhece, é quem dá um presente sem data de aniversário por perto, é quem cumpre o que promete e, ao receber uma ligação, não recomenda à secretária que pergunte antes quem está falando e só depois manda dizer se está ou não está.
Oferecer flores é sempre elegante. É elegante não ficar espaçoso demais. É elegante não mudar seu estilo apenas para se adaptar ao de outro. É muito elegante não falar de dinheiro em bate-papos informais. É elegante retribuir carinho e solidariedade.


Sobrenome, jóias e nariz empinado não substituem a elegância do gesto. Não há livro que ensine alguém a ter uma visão generosa do mundo, a estar nele de uma forma não arrogante. Pode-se tentar capturar esta delicadeza natural através da observação, mas tentar imitá-la é improdutivo.
A saída é desenvolver em si mesmo a arte de conviver, que independe de status social: é só pedir licencinha para o nosso lado brucutu, que acha que “com amigo não tem que ter estas frescuras”. Se os amigos não merecem uma certa cordialidade, os inimigos é que não irão um dia desfrutá-la. Educação enferruja por falta de uso. E, detalhe: não é frescura.


´´A liberdade é politicamente incorreta (...) não se veste bem, não tem bons modos, não liga para o que os outros vão dizer. Ser absolutamente live tem um ônus que poucos se atrevem a pagar. (...) Dizem que todos artista é louco. Se loucura e liberdade, forem parentes, então concordo. Pintar, compor, escrever, dançar, tudo isso requer um mergulho num terreno muito perigoso, o da nossa consciência.``

                                             (Trecho de ´´Picasso e a arte dos desiguais``)

Espero que tenha gostado da indicação! Já leram esse ou algum outro livro da Martha? Me contem!!! Bjos

Penteados: Formatura!

Oi gente!!!
Hoje vim trazer as inspirações de penteados para formatura! Confiram:


Coque

Ultimamente, está super em alta usar cabelo preso em festas! E o favorito de sempre é o tradicional coque!


Rabo de cavalo

Esse ano foi possível observar que o rabo de cavalo bombou nos tapetes vermelhos! Foi o penteado queridinho do ano! E nada melhor do que aproveitar da tendência e arrasar com um rabo de cavalo bem glamouroso na festa de formatura!


Tranças bagunçadas

Esqueçam as tranças certinhas: o que está em evidência no momento são as tranças (bem) bagunçadas! Mais descoladas do que as tradicionais, é sucesso na certa!


Cabelo solto

Para quem quer apostar no cabelo solto, fuja do cabelo liso comum e apostem em um penteado diferente! 


Cabelo curto

Quem tem o cabelo curtinho sabe como é complicado fazer um penteado para festas! Mas até nesse caso é possível apostar em penteados lindos!

E aí, gostaram das inspirações? Espero que sim! Bjos

PS: Para quem ainda não viu o post de inspirações de vestidos para a formatura, clique aqui.

Novidades: Little White Tee!

Oi pessoal!!!
Hoje vim mostrar para vocês as novidades lindas (como sempre) da Little White Tee! Confiram:








LWT como sempre arrasando!

As novas tees já estão à venda na página da marca no Facebook: https://www.facebook.com/LittleWhiteTee/app_305990076116431 e no site: http://littlewhitetee.com.br/ .

E aí, gostaram? Bjoss

Inspirações: Formatura!

Oi gente!!!
Todo ano posto aqui no blog algumas inspirações de vestidos para a formatura! E claro, esse ano também não deixarei de postar, porém queria pedir desculpas por estar suuuuper atrasada com esse post. Já era para eu ter postado há pelo menos um mês atrás! Mas antes tarde do que nunca, né? Confiram abaixo:

Discretos


Para as meninas que querem usar algo mais discreto na festa, não há escolha melhor do que vestidos lisos, feitos com tecidos finos (como seda ou crepe) em tons claros.

Brilhantes


Para quem quer brilhar (muito) na formatura, nada melhor do que se jogar no paetê ou em bordados brilhantes e rebuscados! Outra coisa legal é apostar no degradê, combinando tons incríveis com direito a muito brilho.

Pequenos detalhes


Para quem não quer usar algo muito discreto ou muito extravagante, vale investir em pequenos detalhes. Poucos bordados ou bordados bem discretos.


E aí, gostaram das inspirações? Espero que sim! Alguém irá ser uma formanda esse ano? Me contem!!! Bjos

PS: Ainda essa semana postarei as inspirações de penteados para a formatura!

Entrevista: Anita Deak!

Oi pessoal!!!
Para quem acompanha os últimos lançamentos de livros já deve ter ouvido falar da escritora Anita Deak, ou pelo menos de seu romance de estréia que está bombando: "Mate-me quando quiser", lançado esse mês pela editora Gutenberg.

O livro foi anunciado pela editora há alguns meses atrás! Assim que li a sinopse já fiquei super ansiosa para ler! Estou prestes a comprá-lo (uma vez que ele ainda não chegou em Campinas) e tenho certeza de que será aquela leitura em que irei devorar os livros em poucos dias!

Mas o que mais me chamou atenção foi o fato de ser o primeiro livro da autora e ele já estar fazendo tamanho sucesso! Fiquei encantada por tamanho reconhecimento e entrei em contato por e-mail com a Anita e perguntei se ela topava dar uma entrevista exclusiva para o blog! E para a minha felicidade, ela topou! Além de muito talentosa, ela é a simpatia em pessoa!

Confiram abaixo a entrevista exclusiva da autora para o ByMiih:


1- Desde sempre você soube que queria ser escritora ou já chegou a pensar em seguir outra carreira?

Eu sempre gostei muito de boas histórias e de escrevê-las. Aprendi a ler aos 5 anos de idade e a minha tia, que me criou, tinha a curiosa mania de me dar livros adultos Se eu entendia tudo, não me lembro, mas ainda guardo a sensação do fascínio que as narrativas despertavam. Acabei começando pelo jornalismo, que me ensinou a ter foco, clareza e a escrever de uma forma simples e direta. A literatura, porém, acabou me escolhendo e se tornando mais importante que o jornalismo com o passar do tempo. 

2- Como nasceu sua paixão pela leitura?

Primeiro com o exemplo da minha tia, que me comprava muitos livros e estava sempre com uma obra na mão. Acho que o fato de ter sido criada por ela como filha única também ajudou. Não convivi com meus irmãos, então passava muito tempo apenas com adultos. Posso dizer que na minha infância, o tempo das brincadeiras rivalizava seriamente com o tempo da leitura. Eu gostava tanto de brincar quanto de ler. 

3- Conheço muitas garotas que desejam se tornar escritoras. Que dica você daria a elas?

Leia muito e procure prestar atenção na forma com que os escritores constroem suas histórias. Quais palavras se repetem? Usa frase longas, curtas, como constrói a personalidade de um personagem? É por meio do diálogo, de objetos, da ação? Fazer uma leitura atenta e crítica é fundamental para o escritor, já que a partir dela pode-se descobrir os recursos literários e explorá-los na própria escrita. Também vale procurar cursos de escrita criativa, entrar em contato com escritores e, sobretudo, escrever. 

4- Como é o dia-a-dia da profissão?

Gasta-se mais tempo reescrevendo do que escrevendo. Para que um texto fique redondo, para que nenhuma palavra sobre, essa atividade é fundamental. Escritor também lê muito, pesquisa, conversa com os colegas. E eu, pelo menos, ouço bastante os leitores. Presto atenção em cada opinião e respeito bastante o tempo das pessoas. Por isso, ao construir uma história, escrevo de forma que o leitor vá comigo até a última palavra. É muito legal imaginar como a vida dos meus personagens pode conversar com a experiência e as emoções de quem lê.  

5- Com certeza a profissão já lhe rendeu experiências incríveis! Qual te marcou mais?

A história do "Mate-me quando quiser" se passa em Barcelona. O que mais me marcou foi saber, na semana passada, que uma editora espanhola vai publicá-lo lá. Fico muito feliz de que a minha literatura e, consequentemente, a literatura brasileira seja valorizada lá fora.


6- Como você teve a ideia para o livro "Mate-me quando quiser"? Já está com outro livro em mente? 

Eu queria escrever sobre uma suicida, mas esse tema é quase clichê, então pensei que precisava de uma história mais instigante. Andando pelas ruas de Barcelona, em 2009, me veio o questionamento: Tudo bem, a personagem quer se matar. E se ela tiver medo da possibilidade de ficar inválida ao tentar o suicídio? E se medo for tão grande que surja na cabeça dela a ideia de contratar a própria morte a um matador de aluguel? A partir daí, desenvolvi a história. Quanto ao próximo livro, já estou escrevendo. Pretendo terminá-lo em julho do ano que vem e já adianto: a história é bem eletrizante. 


7- O que os leitores podem esperar do livro "Mate-me quando quiser"? Muito suspense, romance, drama (ou um pouco dos três)?

Eu mudo o tempo inteiro a história para que o leitor se surpreenda. Fiz capítulos curtos e procurei escrever da forma mais instigante possível. Tem suspense, drama e romance, mas é, sobretudo, um livro que fala de vida e de morte, de escolha e de como a relação entre as pessoas, o que elas pensam sobre as outras, pode definir os rumos dos acontecimentos. 

8- Acredito que como escritora você deva ter muitos autores e livros favoritos. Quais são?

Gosto muito do Julio Cortázar, do José Saramago e do Martin Amis. E também gosto de escritores que têm a capacidade de criar mundos maravilhosos em suas mentes como a J.K. Rowling. 


O livro foi finalista do Prêmio SESC de Literatura em 2013

Sinopse do livro "Mate-me quando quiser"Decidindo que sua vida deveria chegar ao fim, mas sem coragem de cometer suicídio, uma mulher contrata Soares, um matador de aluguel. Resolve que sua morte acontecerá na bela cidade de Barcelona, e para isso envia ao seu futuro algoz a passagem de avião e o endereço de onde ficará na Espanha. Ele deverá matá-la no prazo de quatro meses, quando for mais conveniente. Junto com o pagamento, manda também uma foto sua, para que ele saiba quem ela é. Mas ela não quer saber como é a aparência de seu matador. O destino, porém, nem sempre cumpre à risca os planos que costumamos traçar para ele.

Confiram o booktrailler do livro:



O livro já pode ser encontrado nos sites abaixo:






E aí, gostaram da entrevista? Espero que sim! Bjos

Pra ler: O Fio da Vida!

E se você pudesse mudar as escolhas da sua vida? E se, ao nascer de novo, refazendo sua trajetória, você pudesse mudar o destino de outras pessoas e até o curso da história? É esse fascinante jogo com o tempo que está presente na narrativa do livro O Fio da Vida da autora inglesa Kate Atkinson.
O Fio da Vida tem como foco principal o quanto uma escolha ou um pequeno ou grande acontecimento pode mudar toda uma trajetória de vida. Não nos damos conta do quanto a atitude de apenas uma pessoa pode mudar toda a história de uma nação...até lermos esse livro!
Trata-se de um livro ambientado entre os anos de 1910 até 1967, com uma história que permeia as duas Grandes Guerras e outros famosos confrontos. Durante o desenvolvimento da narrativa, nos deparamos com todos os tipos de personalidades humanas.


Sinopse: Ursula Todd é uma mulher que tem a chance de viver sua vida inúmeras vezes, até finalmente conseguir fazer as pazes com o destino.

Além de mostrar várias facetas do ser humano, a história trata um pouco sobre o papel da mulher na sociedade da época. Ursula, muitas vezes, desempenha o papel que lhe é atribuído pela sociedade (dona de casa, que sofre com o enorme machismo da época). Mas em outras vidas, quebra as regras e se torna uma mulher forte e independente. Ou uma mulher à frente de sua época. Muitas personalidades são atribuídas à personagem e esse é um dos pontos mais interessantes do livro. 


O livro recebeu diversos elogios dos mais renomados jornais do mundo e foi considerado um dos melhores romances de 2013 pelo The New York Times.

"Um livro cativante com uma personagem inesquecível"- The New York Times

"Kate Atkinson constrói um quebra-cabeça que emociona do começo ao fim. Eletrizante"- The Times

"Um romance magnificamente delicado e humano"- Observer

O livro se tornou, facilmente, um dos meus queridinhos! Preparem-se para uma leitura deliciosa!

Bjos,
Miih

Tag literária: TLT

Oi gente!!!
Hoje vim trazer uma tag literária para vocês que vi esses dias no blog Aborto Literário. A tag é super bacana! Confiram:

*Um livro que nunca vou ler


Os livros do Dan Brown nunca me chamam a atenção (o único que li e gostei do autor foi "Ponto de Impacto"). Código da Vinci, apesar de ser um livro muito comentado e amado por muitas pessoas, é um livro que eu, pessoalmente, nunca irei ler. Por falta de vontade e por ter começado a ler "Anjos e Demônios" (sequência) e não ter gostado.

*Nunca imaginei que fosse gostar


Melancia era um livro que eu não levava fé alguma...até ler! O livro é super divertido e acabou se tornando um dos meus favoritos.

*Nunca imaginei que não fosse gostar

Primeiramente, devo dizer que acho o John Green um autor extremamente superestimado! Gostei apenas de dois livros do autor (A Culpa é da Estrela e Teorema Katherine) e, com certeza, esse não foi um deles. Muitas pessoas falam super bem de Quem é você, Alasca?, então imaginei que iria adorar o livro. Quando acabei o livro me senti frustrada.

*Troco por uma bala

Com certeza nunca li um livro tão chato quanto A Cabana! Juro que não sei como consegui ler esse livro até o final!

*Não troco por nada


Não é novidade para ninguém que O Retrato de Dorian Gray é meu livro favorito! Por essa razão, não troco esse livro por nada (resenha aqui).

*Jura que é bom?


Gosto bastante do blog da Isabela Freitas e acho as crônicas e textos dela bem bacanas, mas dei uma folhada no primeiro livro dela e devo confessar que não me interessou nem um pouco (talvez pelo fato de me lembrar um livro de auto-ajuda). Pra confessar, só o nome já me dá uma preguiça...Então uma pergunta para quem já leu: jura que é bom?

*Jura que é ruim?


Esse livro foi lançado há pouco tempo pela editora Íntrinseca e me chamou bastante a atenção. Porém, quando fui pesquisar sobre ele na internet, encontrei várias críticas. Então estou em dúvida em relação à esse livro.

Me contem, já leram algum desses livros? Gostaram da tag? Bjos